Enivrez-vous!

Enivrez-vous!

Esse ano foi maravilhoso. Parece que toda aquela ladainha de carma realmente funcionou dessa vez, e me deu toda a alegria que eu nao tive no passado.

De uma forma bem distorcida, eu consigo ver cada ponto negativo dele como algo positivo, muito positivo. Eu sei que de certa forma meu sofrimento e minhas dores foram muitas, ou melhor, muito intensas, mas 2007 inteiro me dá cerca de mil razões para crer que esses sofrimentos estão em segundo, quarto, décimo plano. Como sempre, aprendi. Sobre meus limites, sobre as pessoas, sobre comportamentos e sofrimentos, mas nada disso me faz querer elaborá-los. Aprendi que nada na vida é para sempre e que a hora vai chegar. Hora de quê? De qualquer coisa. Nesse momento, chegou a hora de deixar minha infância, minha adolescencia aborrecente, minhas idéias e meus atos incautos para trás. Agora chegou a hora de seguir em um ano que vai determinar o meu futuro.

Seguir esse caminho pode ser cansativo, e eu já percebi que a tensão será gigante. Acho que sei o que esperar: Primeiro, muitas aulas. Aulas daquelas que parece que nunca vão acabar. Segundo, desvio mental. Ninguém consegue ter aulas 6 dias por semana e ainda conseguir sair com os amigos, que é basicamente tudo o que minha mente está pensando nesse momento. Terceiro, dúvidas. Vou duvidar de mim até não poder mais, vou me pegar pensando durante o dia sobre como eu vou conseguir ou fazer certas coisas. Mas vou lidar com isso, vou passar por cima, vou estar ávida para isso, tudo por causa da Maturidade, o Quarto desta lista. Que ela me encorpore, me envolva, me abrace e me prenda, para nunca mais sair. É com ela ao meu redor que eu vou conseguir ser a mulher que eu tanto sonhei ser quando pequena. E quinto: stress. Stress, stress e stress, miil vezes o stress. Vou virar amiga do stress, vou ser sua cúmplice, sua amante. Vou dormir com ele e acordar com ele, para passar o dia inteiro pensando nele. Pode parecer meio atroz, mas é a realidade, e acho que meu corpo e mente estão crescidinhos o suficiente para escutar a realidade.

Acho que esses cinco pontos do ano de 2008 me fazem ter uma visão meio inócua do que ele será. Eu sei o que vou pensar, sentir e querer, e também sei como vou agir, reagir ou imaginar. Mas acontece que isso não me parece suficiente. Acredito que a vida me cega para os pontos mais importantes, como uma noite qualquer decidindo o meu futuro antes de dormir, ou a angústia de fazer uma prova e não saber o resultado. E serão esses pontos que realmente vão fazer a diferença. Mas não sou masoquista, não gosto de sofrer por antecedência, então deixo esses momentos passarem, deixo-os para depois, eu confio em mim e acredito que nada irá me desviar desse caminho que desejo seguir.

Acho também que 2008 vai ser o ano onde as coisas vão tomar lugar, onde o tempo passando rápido vai ser normal, onde passar horas conversando sobre literatura, política ou biologia será agradável. Acredito que minha vontade de ser a melhor, a vontade de me surpreender, aquela sensação de auto-realização, tudo isso vai se revelar, pela primeira vez, nesse ano de 2008. E a primeira vez a gente nunca esquece.

Então, querido 2008, peço que me deixe pasma com todo o meu conhecimento, todo o meu sucesso, todo o meu sofrimento e toda a minha alegria. Espero que você faça jus ao que eu já tenho em mente, mas também espero que você se torne o mar leviano, o qual de uma hora para outra me engole com uma onda e me permite voltar a superfície com ainda mais vontade de viver. Espero que você me ensine, me mostre, me demonstre, me peça, me qualifique, me dê os meios, me mostre o caminho. Estou confiando em você para me moldar, me deixar melhor, mais matura, mais responsável, mais mulher.

Resumidamente: Eu nao tenho uma visão ruim do ano que está por vir. Mas também nao tenho uma visão boa. Estou neutra até então, pensando que nas horas ruins, eu irei me virar, e nas boas, comemorar. Por esse e muitos outros motivos, nada melhor do que fabuloso Charles Baudelaire para o motto desse ano:

Enivrez-Vous

Il faut être toujours ivre.
Tout est là:
c’est l’unique question.
Pour ne pas sentir
l’horrible fardeau du Temps
qui brise vos épaules
et vous penche vers la terre,
il faut vous enivrer sans trêve.
Mais de quoi?
De vin, de poésie, ou de vertu, à votre guise.
Mais enivrez-vous.
Et si quelquefois,
sur les marches d’un palais,
sur l’herbe verte d’un fossé,
dans la solitude morne de votre chambre,
vous vous réveillez,
l’ivresse déjà diminuée ou disparue,
demandez au vent,
à la vague,
à l’étoile,
à l’oiseau,
à l’horloge,
à tout ce qui fuit,
à tout ce qui gémit,
à tout ce qui roule,
à tout ce qui chante,
à tout ce qui parle,
demandez quelle heure il est;
et le vent,
la vague,
l’étoile,
l’oiseau,
l’horloge,
vous répondront:
“Il est l’heure de s’enivrer!
Pour n’être pas les esclaves martyrisés du Temps,
enivrez-vous;
enivrez-vous sans cesse!
De vin, de poésie ou de vertu, à votre guise.”

and there is nothing left to do
but to kiss once again, and part
nay, there is nothing we should rue,
i have my beauty – you, your art,
nay, do not start.
one world was not enough for two
like me and you.

(Oscar Wilde)

pois então acho que já era, né. minha mente mudou, ou ao menos está começando a mudar, e não há nada (nem ninguém, pelo visto) que vai tentar mudar o caminho das coisas, para aquele que eu tentei seguir por tanto tempo. acho que minhas palavras valem muito para mim, e muito pouco para aqueles a quem as direciono. preciso escolher com mais cuidado não só as palavras, como as pessoas. a partir de agora escreverei pouco, ou melhor, escreverei com pouco significado. como há pessoas que tendem não entender o espírito e o impacto de cada frase em minha vida e meus sentimentos, e por consequencia, em suas próprias vidas.

e, por mais que me machuque e me corroe, ainda há esperanças. uma esperança fina e fraca, que nao depende de mim. que nao PODE depender de mim.

ãã, fernando :D

ãã, fernando :D

eu vou te ensinar agora algo que nenhuma faculdade de medicina e nenhuma pós-graduação em neurologia vai poder te ensinar sobre como nosso corpo e nossa mente funciona. então eu quero que tu preste atenção, porque esse é o tipo de coisa que só se explica uma vez, e você vai ter que fazer um esforcinho pra entender (:
eu já tentei escrever tudo que eu quero que tu entenda umas cinco vezes e nas cinco eu tive que apagar e começar de novo, porque nao tá sendo sincero e nem espontâneo. então em vez de me preocupar com o texto em si, eu vou me preocupar apenas com a simplicidade do mesmo pra te fazer entender, ok? então se estiver meio mais ou menos, é culpa dos meus neuronios que nao funcionam tão bem nas férias.
assim. não sei se você já reparou mas já faz mais de ano acho que a gente se conheceu. hehe, nããão! não vou ser clichê e falar caaada coisinha que a gente viveu e falar qual a importancia dela :P vou resumir tudo isso num: foi um ano bom, pra mim. nao sei o que VOCÊ pensa disso, mas eu pude crescer bastante, e com isso, eu mudei um pouco. ainda nao sei se é bom ou se é ruim, mas o fato é que se nao fosse por esse ano, eu nao ia viver o que eu estou vivendo agora. acho que o que eu estou tentando dizer é que esse ano marcou.
não marcou pelo nosso namoro, nem pelas quinhentas conversas aleatórias que a gente já teve, mas marcou pelo significado. marcou porque me fez entender uma coisa que eu nao entendo fazem 5 anos. acontece que 5 anos atras, eu fiz uma tempestade em copo d’agua e acabei nao só machucando quem me queria bem, como com muitas coisas em minhas mãos que eu sabia pra que serviam. uma dessas coisas foi um pedacinho do coração de alguém. eu nao sabia o que fazer ou o que isso significava. com o tempo eu achei que isso era apenas uma garantia da minha importancia pra alguém sabe? eu sabia que ter um pedacinho do coração de alguém em suas mãos era algo sério, mas eu nunca realmente entendia o porque, afinal, eu nunca vivi isso. eu nunca tive um pedaço do meu coração nas mãos de alguém.
e eu acho que agora eu entendo. assim, vou explicar: eu percebi que em um ano, depois das nossas trocentas brigas, e das nossas trocentas conversas bonitinhas, por mais que você tenha sido um grosso, chato e tudo mais, você conseguiu arrancar de mim um pedaço do meu coração. não sei se você já percebeu, mas é algo importante. não pra mim (tá, também) mas acho que eu nao vou sentir tanto como você vai sentir daqui uns tempos. você vai perceber que com esse pedaço de mim, tanto eu como você vamos fazer de tudo pra que isso, seja lá o que for, fique bem. você vai entender porque que depois de brigar por uns 40 minutos, com direito a xingamentos, e todas aquelas coisas que só a gente sabe, porque a gente SEMPRE se entende. porque que depois cada um assume seu erro e tenta se redimir. porque que a gente tá sempre tentando fazer com que isso funcione de forma saudável.
você vai entender com o tempo que cada aperto que você der nessa parte de mim, vai doer, vai me fazer mudar, vai me fazer ser quem você quer que eu seja pra você naquele momento, mesmo que isso dure só uma conversa. você vai entender que vai poder gritar pra mim seja quando for que eu vou estar aí pra você. nao importando se eu estiver no meio de uma suuuper balada com aqueeeeele gatinho, eu vou largar tudo e vou te ligar, porque eu quero o seu bem, e porque você cuida tão bem de uma parte de mim (tá, isso é uma coisa muito relativa, mas..). você vai entender também porque que eu tendo a esperar certas coisas de você, coisas que você nem sonha que eu espero, e tudo vai fazer sentido. você vai perceber que eu nao sou completamente louca (: parte de mim é sã, e por mais incrível que pareça, essa parte de mim está com você.
acho que tu já pode começar a reparar que isso vai fazer com que você mude também. não muito, não extraordinariamente, não do nada, mas vai mudar. você vai falar e fazer certas coisas pra mim ou comigo, com mais zelo, com mais carinho. você vai cuidar do que você fala (e olha que isso é RARO :O) e vai perceber que há tantas coisas que a gente já falou que eram tipo, desnecessárias. enfim, você ainda vai descobrir que muitas coisas podem vir disso. e eu acho que isso vai fazer muita diferença pra ti (: assim, não que isso nao faça diferença pra mim, porque faz, mas o coração é meu e pra mim ele já é normal. então, qualquer coisa que tu me peça, vai soar natural.
eu quero que tu descubra essas coisas sozinho, como eu fiz, e eu quero que você aprenda a importancia de cada uma delas, coisa que eu só fiz agora (Y), eu quero que você entenda que a partir de agora eu nao saio mais da tua vida (: nao importa se você estiver aqui e eu lá no japão, a gente sempre vai arranjar um jeito de mandar sinal de fumaça de vez em quando. e enquanto você cuidar desse pedaço de mim, pode ter certeza que eu vou estar aqui pra você, (:

E é assim que a nossa mente vai funcionar. por causa de toda essa confusão que a gente causou nesse ano, e por causa dessa parte de mim que você roubou, minha mente vai estar ao dispor da sua, e vice versa. isso ninguém pode te ensinar em faculdade, por mais foda que ela seja (:

agora eu tento explicar: oi, isso era pra ter sido um depoimento, mas daí eu reparei que ia virar um SUPERHIPERMEGA depoimento e ia tirar o rostinho de cada amiguinha-fulana tua da sua página, e como eu amo elas demais, eu nao pude mandar pra você uns quinhentos depoimentos e deixar elas sumirem, né? :P enfim. se tu quiser eu posso te mandar uma versão BEM mais reduzida com BEM menos detalhes e com BEM menas internas e assim vai. acho que isso tudo foi só pra tu saber. porque hoje eu realmente aprendi algo sobre mim mesma, sobre como eu funciono, sobre como as pessoas em geral funcionam. eu entendi porque que eu tenho essa super mania de correr atras de uma certa pessoa em especial, toda vez que ela grita, por mais que ela tenha me machucado de novo e de novo e de novo. eu tenho parte dela em mim. e agora você tem uma parte de mim em você (: